26 de julho de 2014

MH17

Ter estado aqui quando aconteceu fez-me mais distante a querer falar no assunto. Não sei se por estar mais de perto. Não sei se por (mais uma vez) ter ficado chocada com o mundo. Não sei se por a realidade de ter de apanhar um avião ser cada vez mais o meu lugar comum e dos meus. Sei que se penso muito no assunto me dá raiva. Sei que estou aqui há tão pouco tempo mas que soube de alguém que conhecia alguém que conhecia alguém que estava lá. E se eu que estou aqui há nem meses grandes vi ligações que será das pessoas que têm toda a sua rede de família e amigos aqui? Que forças ficam para lutar quando nos é retirada a vida assim? Quando nem por acidente se pode dizer que é, nem mistério, nem coisa nenhuma? Quando é única e simplesmente por estupidez? Por coisas que não nos dizem respeito nenhum? Dá muita raiva. Na quarta-feira começaram a chegar à Holanda os primeiros corpos e fez-se um minuto de silêncio e celebrações no centro. Os meus pensamentos (ainda que fuja deles, como confesso aqui) estão nas famílias. Que podiam ser, literalmente, qualquer um de nós.





Um vídeo de uma largada de balões no centro de Amesterdão, aqui.




1 comentário:

  1. Uma tragédia o que aconteceu. Que os responsáveis sejam encontrados.

    ResponderEliminar